Cecilio no Escritório

Cecilio no Escritório
Cecilio no Escritório

sábado, 17 de março de 2007

Vinicius de Moraes_03



Esta é mais uma do Vinicius, retirada de seu livro Cancioneiro

A foto ao lado é do Vinicius aos 2 anos de idade.




A felicidade



Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor
A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite, passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Pra que ela acorde alegre com o dia
Oferecendo beijos de amor

quinta-feira, 15 de março de 2007

Roberto Carlos Braga



Esta canção que se segue é de Roberto e Erasmo Carlos intitulada " A JANELA "
Tem uma mensagem muito bonita, principalmente para o adolescente, rs.rs., eu lembro bem, também fui um,.......rs.rs.

Da janela o horizonte
A liberdade de uma estrada eu posso ver
O meu pensamento voa livre em sonhos
Pra longe de onde estou
Eu às vezes penso até onde essa estrada
Pode levar alguém
Tanta gente já se arrependeu e eu
Eu vou pensar, eu vou pensar
Quantas vezes eu pensei sair de casa
Mas eu desisti
Pois eu sei lá fora eu não teria
O que eu tenho agora aqui
Meu pai me dá conselhos
Minha mãe vive falando sem saber
Que eu tenho meus problemas
E que às vezes só eu posso resolver
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Novamente eu penso ir embora
Viver a vida que eu quiser
Caminhar no mundo enfrentando
Qualquer coisa que vier
Penso andar sem rumo
Pelas ruas, pela noite sem pensar
No que vou dizer em casa
Nem satisfações a dar
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Penso duas vezes me convenço
Que aqui é o meu lugar
Lá fora às vezes chove
E é Quase certo que eu vou querer voltar
A noite é sempre fria
Quando não se tem um teto com amor
E esse amor eu tenho mas me esqueço
Às vezes de lhe dar valor
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Tudo tem seu tempo
E uma vida inteira eu tenho pra viver
E nessa vida é necessário a gente
Procurar compreender
Coisas que aborrecem
Muitas vezes acontecem por amor
E esse amor eu tenho esquecido às vezes
De lhe dar valor
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida
Coisas da vida
Choque de opiniões
Coisas da vida
Coisas da vida

Vinicius de Moraes_02




Esta é mais uma do Vinicius, quem visita este Blog já deve ter notado que sou fã dele, portanto virão outras.




Quem pagará o enterro e as flores Se eu me morrer de amores?
Quem, dentre amigos, tão amigo Para estar no caixão comigo?
Quem, em meio ao funeral
Dirá de mim: – Nunca fez mal...
Quem, bêbedo, chorará em voz alta
De não me ter trazido nada?
Quem virá despetalar pétalas
No meu túmulo de poeta?
Quem jogará timidamente
Na terra um grão de semente?
Quem elevará o olhar covarde
Até a estrela da tarde?
Quem me dirá palavras mágicas
Capazes de empalidecer o mármore?
Quem, oculta em véus escuros
Se crucificará nos muros?
Quem, macerada de desgosto Sorrirá: – Rei morto, rei posto...
Quantas, debruçadas sobre o báratro
Sentirão as dores do parto?
Qual a que, branca de receio
Tocará o botão do seio?
Quem, louca, se jogará de bruços
A soluçar tantos soluços
Que há de despertar receios?
Quantos, os maxilares contraídos
O sangue a pulsar nas cicatrizes Dirão: – Foi um doido amigo...
Quem, criança, olhando a terra
Ao ver movimentar-se um verme
Observará um ar de critério?
Quem, em circunstância oficial
Há de propor meu pedestal?
Quais os que, vindos da montanha
Terão circunspecção tamanha
Que eu hei de rir branco de cal?
Qual a que, o rosto sulcado de vento
Lançará um punhado de sal
Na minha cova de cimento?
Quem cantará canções de amigo
No dia do meu funeral?
Qual a que não estará presente
Por motivo circunstancial?
Quem cravará no seio duro
Uma lâmina enferrujada?
Quem, em seu verbo inconsútil Há de orar: – Deus o tenha em sua guarda.
Qual o amigo que a sós consigo
Pensará: – Não há de ser nada...
Quem será a estranha figura
A um tronco de árvore encostada
Com um olhar frio e um ar de dúvida?
Quem se abraçará comigo
Que terá de ser arrancada?
Quem vai pagar o enterro e as flores
Se eu me morrer de amores?

segunda-feira, 12 de março de 2007

Amizade, Amor, Felicidade, ?????


Se não estivesse tão fora de moda, iria falar de Amor. Daquele amor sincero, olhos nos olhos, frio no coração, aquela dor gostosa de ter muito medo de perder tudo. Daqueles momentos que só quem já amou um dia conhece bem. Daquela vontade de repartir, de conquistar todas as coisas, mas não para retê-las no egoísmo material da posse, mas para doá-las no sentimento nobre de amar.Se não estivesse tão fora de moda, eu iria falar de Sinceridade. Sabe, aquele negócio antigo de Fidelidade, respeito mútuo e aquelas outras coisas que deixaram de ter valor.Aquela sensação que embriaga mais que a bebida; que é ter, numa pessoa só, a soma de tudo que às vezes procuramos em muitas. A admiração pelas virtudes e a aceitação dos defeitos, mas, sobretudo, o respeito pela individualidade, que até julgamos nos pertencer, mas que cada um tem o direito de possuir. Se não estivesse tão fora de moda... Eu iria falar em Amizade. Na amizade que deve existir entre duas pessoas que se querem bem. O apoio, o interesse, a solidariedade de um pelas coisas do outro e vice-versa. A união além dos sentimentos, a dedicação de compreender para depois gostar. Se não estivesse tão fora de moda, eu iria falar em Família.
Sim...Família! Essa instituição que ultimamente vive a beira da falência, sofrendo contínuas e violentas agressões. Pai, Mãe, Irmãos, Irmãs, Filhos, Lar... Aquele bem maior de ter uma comunidade unida, pelos laços sangüíneos e protegidas pelas bênçãos divinas. Um canto de paz no mundo, o aconchego da morada, a fonte de descanso e a renovação das energias... E depois, eu iria até, quem sabe, falar sobre algo como. a Felicidade. Mas é uma pena que a felicidade, como tudo mais, há muito tempo já esteja tão fora de moda e tenha dado seu lugar aos modismos da civilização. Ainda assim, gostaria que a sua vida fosse repleta dessas questões tão fora de moda e que, sem dúvida, fazem a diferença! Afinal, que mal faz ser um pouquinho careta...

Não sei você notou, mas a Cadelinha aqui da foto está amamentando alguns gatinhos, isto é ou não uma verdadeira DOAÇÃO ??

sexta-feira, 9 de março de 2007

Vinicius de Moraes

Para você que gosta de Vinicius de Moraes, veja no final desta postagem um link para ler e ouvir um de seus sonetos.



Este foi um de nossos maiores poetas, músico, compositor, cantor, etc, também foi o mestre das parcerias, só para ilustrar vejam dois de seus parceiros nestas fotos aqui expostas.
Segue letra de uma parceria com Carlos Lyra. :
Minha namorada
Se você quer ser minha namorada
Ah, que linda namorada
Você poderia ser
Se quiser ser somente minha
Exatamente essa coisinha
Essa coisa toda minha
Que ninguém mais pode ser
Você tem que me fazer um juramento
De só ter um pensamento
Ser só minha até morrer
E também de não perder esse jeitinho
De falar devagarinho
Essas histórias de você
E de repente me fazer muito carinho
E chorar bem de mansinho
Sem ninguém saber por quê
Porém, se mais do que minha namorada
Você quer ser minha amada
Minha amada, mas amada pra valer
Aquela amada pelo amor predestinada
Sem a qual a vida é nada
Sem a qual se quer morrer
Você tem que vir comigo em meu caminho
E talvez o meu caminho seja triste pra você
Os seus olhos têm que ser só dos meus olhos
Os seus braços o meu ninho
No silêncio de depois
E você tem que ser a estrela derradeira
Minha amiga e companheira
No infinito de nós dois






sábado, 3 de março de 2007

Reencontro

Hoje vou comentar sobre " Reencontro " , mais precisamente sobre um determinado reencontro ocorrido comigo neste início de ano, eu estava sem contato a mais de 15 anos com algumas pessoas da família que sempre me foram muito queridas, ocorreu sem que conseguisse identificar o por quê deste afastamento, como diz meu primo e amigo Maurício : " Coisas da Vida " ( ele é a pessoa central e razão desta postagem ), ele certamente navegando pelo orkut localizou-me, ficou na dúvida se era eu mesmo, mas mesmo assim postou um scrap, não tenho palavras para descrever a intensidade da minha alegria e surpresa em ver este recado, desde que fiz minha inscrição neste meio de comunicação este foi o recado que mais me emocionou até hoje, fiquei pasmo, atordoado, etc.etc. É claro que depois viemos a nos comunicar e em doses homeopáticas ( também frase dele ) fomos nos atualizando do ocorrido com nossas famílias no decorrer destes anos, soube que sua linda família está muito bem, como também a de seu irmão, também meu primo e amigo, o Didi, que está com uma família maravilhosa, tendo 3 lindos filhos e uma esposa por ele muito amada, é claro que soube também de notícias não muito boas, porém no momento e nesta postagem não irei comentar aqui, visto que escolhi este momento para expressar minha alegria pelo Reencontro. Meu amigo Maurício este nosso contato virtual foi sem sombra de dúvida e sem medo de errar, o melhor de todos até hoje por mim realizado, brevemente acredito que viremos a nos reencontrar pessoalmente, mas enquanto isto vou aqui dividindo minha alegria. Sabe comecei a escrever aqui apenas o que vinha do coração, esqueci de muitos detalhes, de verificar ortografia, concordância, etc., em outras postagens corrigirei os eventuais erros ou lapsos, frases bonitas, marcantes e corretas deixo para você que é o escritor e poeta da família. Meu caro Maurício, em vários trechos aqui eu o chamo de amigo, acredite, eu realmente antes de te-lo como primo o considero um, não, mas Meu Amigo.